Entrevista a Fátima Pinto.
Traçar a linha, iluminar a cor.

Podes falar concretamente do teu trabalho de desenho? O que é que o desenho te dá de diverso da pintura?

O desenho propriamente dito, enquanto desenho, é uma actividade diversa da pintura pois nele não existe a componente de experimentação e reciclagem que esta tem. Trata-se de um processo espontâneo e intuitivo próximo da escrita e da fotografia, é imediato e descomprometido. Geralmente não tenho no desenho a intenção de finalizar como é o caso na pintura, funciona frequentemente como um apontamento. É uma actividade relaxante e estimulante mas uma vez o desenho terminado olho-o como olho uma pintura.

In FERREIRA, Emília - “Entrevista a Fátima Pinto: Traçar a linha, iluminar a cor”, texto do catálogo da exposição Fátima Pinto - Margens, Casa da Cerca, Almada, 2009.

 

An interview with Fátima Pinto:
Drawing lines, lighting colour

Can you tell us a bit more about your drawing work? What do you get from drawing that you don’t get from painting?

Drawing as such is an activity that’s different from painting, as it lacks the experimentation and recycling elements of painting. It’s a spontaneous, intuitive process that is very close to writing and photography. It is immediate and uncompromised. I usually don’t mean to finish a drawing as I do in painting: it frequently works as a note. It’s a relaxing, stimulating activity. Yet, once a drawing is finished, I see it as a painting.

In FERREIRA, Emília - “An interview with Fátima Pinto: Drawing lines, lighting colour”, exhibition catalogue Fátima Pinto - Riverbanks, Casa da Cerca, Almada, 2009.